sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Informativo outubro 2017


Encontro da Reforma Luterana: 500 Anos


XV Congresso da Terceira Idade


Congresso Infantil (Distrito Soldadinhos de Cristo)


Textos Bíblicos para os cultos:


Centralidade da Palavra de Deus

“Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.”
̴ Mt 4.4 ̴
Devemos estar certos de que a alma pode abrir mão de tudo menos da Palavra de Deus. Nada pode lhe ajudar, a não ser a Palavra de Deus. Quando ela tem a Palavra, não precisa de mais nada, pois na Palavra encontra suficiente alimento, alegria, paz, luz, conhecimento, justiça, verdade, sabedoria, liberdade, e todos os bens em grande abundância.
Que palavra é essa que concede tão sublime graça e como devo usá-la? Resposta: Não é outra coisa do que a pregação de Cristo, conforme contida no Evangelho. Essa pregação deve ser feita e é feita para que você ouça o seu Deus falar, dizendo que, diante dele, toda a sua vida e todas as suas obras nada valem e que você e tudo que há em você deveria ser destruído para sempre. Se você realmente crê na grandeza de sua culpa, desesperará de si mesmo e confessará que as palavras de Oséias (13.9) são verdadeiras: “A tua ruína, ó Israel, vem de ti, e só de mim, o teu socorro”. Mas para que você possa se libertar de si mesmo, isto é, de sua própria ruína, Deus lhe apresenta seu amado Filho Jesus Cristo; e por meio de sua viva e consoladora Palavra anuncia que você deve se entregar a Cristo e confiar nele com fé inabalável. Assim, por causa dessa fé, todos os seus pecados lhe são perdoados, você será salvo de sua ruína, e será justo, verdadeiro, piedoso, repleto de paz, terá cumprido todos os mandamentos, e será livre de tudo.
Por isso a única obra e único exercício de todos os cristãos deveriam ser estes: imprimir em seu íntimo a Cristo e sua Palavra, exercitar e fortalecer essa fé constantemente. Pois nenhuma outra obra pode transformar alguém em cristão. Por isso a verdadeira fé em Cristo é riqueza incalculável, pois traz consigo toda a redenção, e afasta toda a condenação.
Martinho Lutero

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Informativo setembro 2017


Culto Gaúcho

É dia 19/09 às 20h na CEL São João Canguçu

Conferência Para Leigos, Servas, Jovens e demais membros da Igreja

Data: 16 e 17/09 Local: CEL “Cristo Redentor” das Três Vendas - Pelotas
Tema: Capacitando Leigos para o Trabalho da Igreja Voltado especialmente para a liderança leiga da Igreja (homens, mulheres e jovens) esse treinamento irá expandir a visão da missão de Deus e da igreja como instrumento em Suas mãos.
Professores: Pr. Dr. Ely Prieto e Pr. Dr. John Messmann Inscrições: (53) 3223-0084 ou ibml.ielb@gmail.com
Horário: Sábado, das 8h às 22h / Domingo, das 8h às 16h Investimento: R$60,00 (se você precisa de hospedagem, entre em contato)

Longanimidade, benignidade

“Mas o fruto do Espírito é paz, longanimidade, benignidade, bondade”
̴ Gl 5.22 ̴
Paz para com Deus e para com as pessoas de maneira que os cristãos sejam pacíficos e calmos, não contenciosos, perseguindo-se mutuamente com ódio, mas que levem as cargas uns dos outros com paciência, pois sem a paciência a paz não se pode manter. Por isso, também, Paulo a colocou imediatamente depois da paz.
Entendo que o termo longanimidade significa paciência perseverante por meio da qual alguém não tolera, apenas, as adversidades, os males e as injúrias, mas também espera pacientemente pela correção daqueles que o feriram. Quando o diabo não pode vencer os que são tentados pela força, ele os vence pela persistência, pois sabe que somos vasos de barro que não podem suportar frequentes e contínuos golpes e assaltos durante muito tempo. Assim, ele vence muitos pela persistência. Para vencer essa sua persistência, é preciso longanimidade, a qual não, apenas, espera pela correção daqueles que empregam a força contra nós como, também, pelo fim das tentações que o diabo provoca.
Benignidade é a afabilidade e amabilidade na conduta e em toda a vida. Pois os cristãos não devem ser rudes e desagradáveis, mas afáveis, humanos, generosos, com quem os outros gostam de conviver, que ocultem as faltas dos outros ou, pelo menos, as interpretem no bom sentido, que, de bom grado, cedam aos outros, que suportem os intratáveis. Semelhantemente, mesmo os gentios disseram: “Conhecerás os hábitos de um amigo, mas não o odiarás”. Uma tal pessoa foi Cristo, como podemos ver a cada passo nos evangelhos.
A bondade é uma virtude muito grande e necessária em todo gênero de vida. Exercer a bondade significa ajudar os outros em suas necessidades, auxiliando-os, liberalmente, por meio de donativos e empréstimos.
Martinho Lutero